domingo, 21 de março de 2010

Menos, menos...

Rever as nossas expectativas pode ser uma boa maneira de evitar muita tristeza e frustração. Pára pra pensar: às vezes, sem perceber, criamos metas irreais para a nossa vida e corremos atrás delas que nem maratonista em final de prova. O resultado? Cruzamos a linha de chegada beeem distantes da posição desejada, cansadas e, pior, achando que nunca seremos capazes de realizar nossos sonhos. É isso aí: exigir demais de nós mesmas é um jeito rápido e fácil de detonar com a nossa autoestima.

Funciona assim: a gente decide emagrecer trocentos quilos em uma semana. E começamos na segunda um regimão do tipo uma ervilha no almoço e outra no jantar. Mas, claro, terminamos o domingo devorando uma porção de coisas gordurosas e doces, com aquela fome de leão de quem passou dias sem comer direito. Aí nos chateamos porque, mais uma vez, a estratégia de eliminar os quilinhos que estão sobrando falhou. E nos sentimos péssimas.

Ou, então, a gente dá de querer ser a garota mais popular da turma do dia para a noite, porque não basta ser só querida pelos amigos. E, então, basta outra fulana se sobressair mais em determinada situação e começamos a nos achar um lixo.

Tem também aquela história de começar a sair com o garoto e já fantasiar o dia em que ele vai dizer “eu te amo”. Daí ele não diz, cai fora porque se sentiu pressionado e o que sobra é só desilusão. Como esses, tem muitos outros momentos em que, por querer demais - e para ontem! - acabamos sem nada.

Essas situações, chatas no início, podem nos oferecer lições que levaremos por toda a vida. Não é o caso de aprender a se contentar com pouco, mas sim de estabelecer objetivos possíveis e, alcançando-os, partir para outros mais difíceis.

Voltando ao regime. Imagine que você combine consigo mesma de eliminar um ou dois quilos por mês, numa dieta balanceada, com o acompanhamento de um médico ou nutricionista. Vai demorar mais pra desfilar o corpão que deseja, claro. Mas, a cada pequena conquista, vai se animar a continuar abrindo mão das guloseimas e persistir se tornará cada vez mais fácil. No fim, os resultados virão. E você poderá, aos poucos, ganhar confiança para investir em projetos mais ambiciosos, como secar de vez a barriguinha.

Agora, antes que você comece a esperar demais de mim também, vou logo tirando o corpo fora: infelizmente não tenho a receita de como cobrar da vida exatamente o que ela pode nos dar, nem mais, nem menos. Imagino que é só na tentativa e erro que aprenderemos – eu, você e o resto do mundo – a fazer apostas grandiosas mas, ao mesmo tempo, possíveis de se alcançar. Até podemos dar um passo maior que a perna de vez em quando. Mas o importante é aprender com o erro e reavaliar nossas metas numa próxima vez.

No fim das contas, o que tenho pra dizer é: sonhe, pequenos, médios e grandes sonhos. Só não caia na besteira de esperar que tudo saia exatamente como quer e também não exija demais de você nem dos outros. Vá com calma. Assim, poderá comemorar cada pequena vitória. E chegará cada vez mais longe.

Faz aí o teste e depois passa me conta no que deu.

5 comentários:

Piie'tra - Eipi disse...

Quando nos sentimos simplismente forçadas por nós mesmas a fazer uma coisa, se torna meio impossivel chegaar a nossa tão sonhada meta. Claro, sonhamos, mas devemos deixar alguns sonhos no travesseiro mesmo, assim realizará aos poucos...

Beijoos Ritaa :*** - Ameei o Bloog e já tô Seguindo (:

Bre Fortunato disse...

http://cherrybf.blogspot.com/

Blog novo Rita :D
Beijos :*

mim disse...

Oi! Meu nome é Estela.
Sei que você não me conhece, mas acompanho sempre seu blog! Gosto muito dele, sério! Me põe pra pensar sobre tudo!
Mas hoje resolvi deixar um comentário, só pra dizer que a admiro muito como escritora e "filósofa"? auhauhauhauhauha...
Era isso!
Beijo!

Thais Luquez disse...

Vi o endereço no seu blog da Atrevida e como adorei o texto, resolvi passar por aqui para ver mais alguns. Confesso que estou apaixonada! Você escreve coisas incríveis. Parabéns pelo sucesso! Estou te seguindo, claro! hahaha super beijo

Anônimo disse...

Olá Rita.

Meu nome é Letícia e eu li o seu artigo sobre abraços na Paulista na Revista Atrevida hoje. Sabe o que é mais legal? Que eu faço parte desse grupo que estava dando abraços grátis lá. O nosso nome é ZOE (www.zoebrasil.wordpress.com) Eu adoraria te falar mais sobre o nosso projeto. Meu e-mail é leticia517@hotmail.com.

Beijos,
Letícia